Início > Relações Sino-brasileiras
China pode ajudar Brasil a melhorar sua infraestrutura
2015/11/10

Rio de Janeiro, 10 nov (Xinhua) -- Especialistas brasileiros e chineses concordaram que a China pode ajudar o Brasil a melhorar sua infraestrutura, afirmando que ambas as nações podem se beneficiar de mais intercâmbios.

Em um seminário sobre as relações sino-brasileiras organizado na sexta-feira passada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Brasil e pela Universidade de Fudan da China, especialistas discutiram a situação da infraestrutura nos dois países e a participação dos setores privado e público na construção de infraestrutura e financiamento, licenciamento ambiental e outros assuntos.

Lia Valls, pesquisadora da FGV, disse que a importância da China para o Brasil aumentou significativamente nos últimos anos, sendo a China a maior parceira comercial do Brasil por seis anos consecutivos até 2014.

Neste ano, a China anunciou planos de investir US$ 53 bilhões no Brasil, principalmente na infraestrutura, mostrando o interesse da China na nação sul-americana.

Valls disse que a China conta com abundante experiência na construção de infraestrutura, enquanto o Brasil tem uma enorme necessidade de melhorar sua infraestrutura.

As duas nações podem trabalhar juntas para atingir esta meta, acrescentou.

Os especialistas também indicaram outros pontos fracos na infraestrutura do Brasil.

Fernando Veloso, também da FGV, disse que no Brasil, o setor público é responsável pela maior parte dos projetos e financiamento no setor de infraestrutura, por isso há um enorme espaço para que investidores privados entrem neste mercado.

Chen Duqing, ex-embaixador chinês no Brasil, disse que ao chegar ao país nos anos 70, ficou profundamente impressionado com o estado de sua infraestrutura, uma vez que este ostentava pontes, aeroportos e autoestradas modernas.

Desde então, a China realizou uma transformação rápida, mas o Brasil não obteve muito progresso, disse.

Por exemplo, a China agora tem uma rede ferroviária extensiva, enquanto ferrovias são raras no país sul-americano.

Chen disse que ele ainda espera que uma ferrovia de alta velocidade conecte as duas maiores cidades brasileiras, Rio e São Paulo, recebendo parte do tráfego pesado em seus aeroportos e baixando o preço do transporte.

O crescimento notável da China durante várias décadas passadas se deve muito à expansão de sua infraestrutura, disse.

A China avança em um trem de alta velocidade e pode "dar uma carona" para outras nações como o Brasil, a fim de que eles possam crescer juntos, destacou Chen. Fim

Suggest to a friend   
Print